Vez e Voz DEZEMBRO 2007

VVcapaDEZ2007SUMÁRIO

5 Editorial
O Vez e Voz ganha corpo de revista
Miguel Torres / David Marques

7 Inovação no Terceiro Sector: que caminhos?
Álvaro Cidrais
17 Inovação e Qualificação das organizações do Terceiro Sector: C3 + D3/EQUAL = Q3
Carla Duarte
25 E-Learning em diferentes países: uma observação
Marcos Olímpio G. Santos
39 O Portal 3Sector: formar, informar e inovar com as TIC
Célia Lavado / António Barata
51 Qualificar o Terceiro Sector: uma perspectiva de formação
Maria Amado
57 Terceiro Sector e Economia Social e Solidária: algumas pistas para reflexão...
Júlio Ricardo
65 Responsabilidade Social, Terceiro Sector e Desenvolvimento Local: a articulação do Grupo Orsa-Fundação Orsa
Olavo Gruber

OPINIÕES / POSIÇÕES
75 Parecer da Animar sobre a criação da Régie-Cooperativa António Sérgio

NOTÍCIAS BIBLIOGRÁFICAS
83 Organizações não Lucrativas: aprendizagem organizacional, orientação de mercado, planeamento estratégico e desempenho
Artur Cristóvão
85 Special Topic: social innovation in the governance of urban communities – a multidisciplinary perspective
Luís Moreno

89 ESTATUTO EDITORIAL
91 NORMAS DE PUBLICAÇÃO

 

EDITORIAL

O Vez e Voz ganha corpo de revista

Em determinados momentos da vida das organizações importa gerar mudança, mesmo naqueles que são, porventura, os mais emble­máticos símbolos da sua história. O Vez e Voz é um destes símbolos no que à história da Animar diz respeito. Um título que só por si afirma uma ideia fundamental – dar vez e voz ao movimento do Desenvolvi­mento Local, às iniciativas, aos actores e às organizações que o prati­cam, que o reflectem, que o constroem, dia após dia há mais de vinte anos. De boletim informativo construído com o labor e a dedicação dos associados – em condições de parcos recursos, só graças ao empenho de todos na prossecução deste objectivo essencial foi possível tornar visível e partilhável esta enorme dinâmica –, à Revista que têm nas vossas mãos passou muito tempo. Tempo de dificuldades, de alegrias, de conquistas e de aprendizagens que nos transformou e nos levou a experimentar e a trilhar novas vias. Esta Revista assume-se como uma nova via nessa caminhada. Perante a evolução da comunicação e das formas como a processar, perante os desafios de aprofundar e criar processos de reflexão, a Animar, decidiu transformar o Vez e Voz boletim informativo, na Revista Vez e Voz, publicação temática de carácter semestral.

Esta adaptação prende-se sobretudo com a intenção de dar a este meio de ligação da Rede Animar um carácter de reflexão mais profunda e científica sobre os inúmeros aspectos que influenciam o Desenvolvimento Local, tendo em cada número um tema escolhido que pela sua pertinência possa contribuir para a divulgação, promoção e consolidação do movimento ou de outras problemáticas que lhe estejam associadas. Para a construção desta proposta, constituiu-se um Conse­lho de Redacção e um Conselho Científico. Deste último fazem parte pessoas que garantem a diversidade e qualidade da publicação, que se pretende rigorosa, atenta, inovadora e, seguramente, aberta a todas as propostas.

Pretendemos com esta revista marcar uma visão que temos de um Terceiro Sector mais forte, mais capaz, mais interventivo e mais visível.

Este primeiro número é apresentado no âmbito do Encontro Na­cional do Desenvolvimento Local, organizado pela Animar e que tem como tema “Afirmar o Terceiro Sector - Promover a Inovação”. Em con­formidade a revista acompanha a reflexão reunindo um conjunto de artigos que têm como tema central “Inovação e Qualidade no Terceiro Sector”, questão de enorme importância não só para o movimento do Desenvolvimento Local mas também para todos os outros intervenientes nos processos de desenvolvimento, sejam eles públicos ou privados.

É neste contexto que surge na revista o parecer da Animar sobre a proposta de criação da Régie-Cooperativa António Sérgio, processo em que participamos a convite da Secretaria de Estado do Emprego e da Formação Profissional, no qual defendemos algumas questões que para nós são centrais no relacionamento entre o Estado e as organiza­ções do Terceiro Sector.

Neste primeiro número estão também presentes artigos que colo­cam em discussão por um lado constatações e por outro desafios, bem como apontam algumas pistas para o futuro do Terceiro Sector. Um agradecimento muito sentido a todos os que permitiram a construção deste novo fôlego da Vez e Voz e, em particular, a todos os que aceitaram o nosso convite para partilhar neste número, as suas ideias, reflexões, investigações, ou seja, aos autores dos artigos.

Que esta revista marque a "Vez e Voz" dos que a não têm, daqueles para quem os processos de Desenvolvimento Local são mais importan­tes ou seja as comunidades para, com e nas quais, trabalhamos na expectativa de criar futuros.

Miguel Torres e David Marques