REDECOOL promove a integração de jovens desfavorecidos

Um novo núcleo de jovens está a despertar a curiosidade e interesse na comunidade envolvente da Alta de Lisboa ao lançar um conjunto de novas iniciativas locais desafiantes que visam estimular a participação activa de públicos mais desfavorecidos.

Um novo núcleo de jovens está a despertar a curiosidade e interesse na comunidade envolvente da Alta de Lisboa ao lançar um conjunto de novas iniciativas locais desafiantes que visam estimular a participação activa de públicos mais desfavorecidos.

Integrados desde o início num percurso de formação teórica e prática que decorreu nos meses de Abril, Maio e Junho, os participantes da Redecool estão agora a lançar os seus projectos profissionais, a desenhar workshops temáticos, a colaborar em grupos de discussão, e não menos importante, a liderar na concepção e implementação de 3 iniciativas locais.

Para além das actividades próprias, todas as semanas são apresentadas novas propostas de participação em formação ou workshops recomendados pela Micre em diversas entidades externas (p.e., Alto Comissariado para as Migrações, Vodafone Labs) e sempre que faça sentido procuramos motivar e apoiar em candidaturas a prémios e concursos de empreendedorismo.

Projectos profissionais com futuro

Com a orientação da Micre - Associação Microcrédito Portugal, Abydel conta-nos como conseguiu implementar a sua campanha de crowdfunding: “sem o apoio da Micre e do coordenador local da Redecool, não teria encontrado o melhor caminho para poder promover o meu filme (documentário)”. Outra participante, Rosa Coelho, espera poder ainda participar na próxima formação em cidadania e igualdade de género, a realizar em Setembro, e encontrar parceiros para poder candidatar-se à Medida Emprego Jovem Ativo. Já Andreia Lima irá frequentar um estágio profissional num museu e nos tempos livres vai contar com apoio de coaches da Micre para desenvolver um negócio social na área da cultura.

Raquel Arranhado, ainda não tem a certeza se quer fazer um estágio profissional para ganhar mais experiência, mas pensa criar workshops de fotografia, com o suporte logístico da Redecool. Três jovens com deficiência visual, Daniel, Nuno e Miguel, estão a ser aconselhados na área jurídica no que toca á criação de uma associação de massagistas invisuais. Francisco Simões é designer: com o apoio da Redecool foi possível implementar uma estratégia para divulgação de portfolio e captação de novos clientes.

Ana Martins é finalista do curso de gestão e quer criar um restaurante vegan: durante o curso prático da Redecool pode estruturar o estudo de mercado, encontrando-se agora a recolher dados para validação do projecto. A Tânia Moreira foi uma das participantes mais ativas na formação em Empreendedorismo e Empregabilidade. Com orientação do coordenador está a lançar a sua candidatura ao Investe Jovem para lançar uma rede social temática na internet.

Estes são apenas alguns exemplos de jovens que apostaram na Redecool para ganhar visibilidade e em diversos casos melhorar a sua situação económica e a sua integração social.

Iniciativas Locais Envolventes – Redes Colaborativas para o Emprego Local Jovem

Em simultâneo com o programa de coaching que se vai iniciar no segundo semestre da Redecool (com enfoque em 9 jovens e com uma equipa multidisciplinar de coaches da Micre) , os colaboradores do núcleo local  estão a conceber três iniciativas que têm como objectivo a captação de jovens talentos e por vezes, recursos pouco utilizados na comunidade.

Teresa Simões, designer de eventos com experiência internacional, já organizou inúmeras feiras de trocas, o conhecido evento “Troca-te” e que tem-se notado pela forte mobilização de participantes. Em colaboração com a Micre, a Teresa está a preparar uma feira de trocas “cool” no espaço cedido pela Micre Gallery, situado perto do Campo Pequeno. Com o Troca-te/Cool pretende-se despertar os actores locais para a importância da reutilização de recursos e da troca como fenómeno de integração social.

Carla Batista é a estratega da Cafinvenções. Esta associação vai encenar uma peça de teatro de marionetas especialmente preparada para o projecto Redecool. Esta peça de teatro vai ter lugar no fim do Verão no Centro Social da Musgueira, entidade parceira da Redecool. O programa inclui a visita à Micre Gallery, uma peça de teatro de marionetas da Cafinvenções "Maria dos Olhos grandes e o Zé Pimpão" que conta a história de 2 crianças oriundas de classes diferentes em que o Zé Pimpão, um menino pobre leva a sua amiga Maria, de um bairro rico a ver os dois lados do mundo. A história servirá de mote para debate do tema implícito e desenvolvido por animadoras na área da animação sociocultural e um debate sobre temas da actualidade intitulado "Pescar Bocadinhos de Futuro".

Por fim, em termos de iniciativas locais, um grupo de trabalho composto por jovens da Alta de Lisboa, pelo orientador do núcleo e parceiros locais está a lançar um concurso de audiovisuais que irá convidar os jovens da cidade a apresentar maquetes de video, áudio e fotografia amadora. Diversas entidades estão envolvidas ou contactadas: o Centro Social da Musgueira, o Lumiarte Arte Urbana (contacto apenas) empresas do bairro irão patrocinar o evento, estando previstos 3 prémios para os finalistas e outros prémios em género que tem como finalidade garantir que todos os jovens possam ter uma oportunidade de desenvolver o seu talento para, tão cedo quanto possível, possam ser apoiados através de crowdfunding ou medidas de apoio ao emprego e empreendedorismo. O nosso projecto social mereceu o aval de um conhecido músico de hip hop e está praticamente acertada uma sessão de autógrafos do e (ainda carecendo de confirmação) um espetáculo musical no espaço envolvente ao museu nacional do traje, de quem ainda aguardamos parecer favorável.

O projeto Redecool Emprego Jovem é promovido a nível nacional pela Animar - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local, em parceria com a CASES - Cooperativa António Sérgio para a Economia Social, tendo sido aprovado no quadro do Programa Cidadania Ativa, gerido pela Fundação Calouste Gulbenkian e financiado pelo EEAGRANTS.