header mobile

Programa Mínimo de revitalização de aldeia

Votação deste artigo: 0 Votos
 
Brochura

 

 

Título: Programa Mínimo de revitalização de aldeia
Autor: Animar, ICE, ADC Moura
2013
26 Páginas

Gratuito

Este documento foi elaborado a partir dum relatório técnico desenvolvido por uma equipa coordenada por João Cordovil e integrada por Pedro Hespanha e António Cardoso Ferreira e que contou ainda com a participação de José João Rodrigues.

A abordagem política e económica que há décadas impera tornou o rural periférico e marginal, nomeadamente em relação a muitas das dinâmicas económicas globais. É necessário prosseguir uma intervenção que assuma a centralidade do rural, recuperando algumas das realidades sociais e económicas que ainda o caracterizam, procurando a sua afirmação numa estratégia de desenvolvimento renovada e renovadora e contrariando as adversidades. Assim, um dos compromissos institucionais vinculados no quadro do projecto ASAS – Aldeias Sustentáveis e Activas foi que, através de um instrumento de proposta política designado como Programa Mínimo de Revitalização de Aldeia, se procurasse este novo caminho para o futuro dos territórios rurais, alicerçado numa forma de actuação que privilegie a participação das comunidades locais como princípio primeiro de mobilização de potencialidades e de vontades integradoras, que permitam às aldeias (com o seu capital social, económico e político) desenhar e integra uma estratégia de desenvolvimento rural.

O contacto com os territórios/aldeias, e sobretudo com quem vive o rural das mais diversas formas que permitiu a recolha de contributos para a definição de propostas de linhas políticas de actuação que estimulem a promoção de aldeias sustentáveis.
Mais de um ano de trabalho tornou possível coroar a reflexão produzida com a apresentação de um Programa Mínimo que contempla uma Caracterização do Rural e de Obstáculos à Intervenção (ponto 2), a identificação dos Pressupostos Estratégico-Metodológicos da Intervenção em Contexto de Aldeia que orientam a requalificação das aldeias (ponto 3) e a enumeração de um conjunto de Recomendações aos poderes políticos e às entidades que interagem com o local rural (ponto 4). Naturalmente, e como se constatará, procurou-se contrariar em todos os pontos a tendência para encontrar “soluções-tipo” que não observem as diferenças que se verificam nos territórios rurais, valorizando a intervenção em aldeia a partir das necessidades específicas respondendo a problemas concretos, sem soluções acabadas ou definitivas.

 

Também disponível em formato PDF em Centro de Documentação / Documentos PDF / Desenvolvimento Local

Recomendamos

Redes e Parcerias

Parceiro1 CasesParceiro2 RipessParceiro3 CNESParceiro4 ComunaCarta Portuguesa para a Diversidade

Financiado Por

financiadores01financiadores02financiadores03financiadores04