header mobile

Economia social representa 5,5% do emprego (Diário de Coimbra, 20/10/2018)

0 5

Votação deste artigo: 0 Votos

“Há (em Portugal) mais de 55 mil entidades de economia social que representam 5,5% do emprego remunerado”, disse ontem o presidente do Instituto da Segurança Social, para quem a grandeza destes números só pode significar mais apoio do Estado.

“O Estado reconhece o quanto as entidades de economia local contribuem para a melhoria das condições de vida da população em geral e dos grupos mais fragilizados em particular”, afirmou ontem Rui Fiolhais, considerando igualmente relevante o papel destas instituições na “capacitação de recursos”, na “criação de riqueza” e “criação de emprego”.

Rui Fiolhais, que falava na sessão de abertura do XII MANIFesta, que decorre até amanhã em Penacova, garantiu por isso que o apoio do Estado às instituições de economia social vai continuar. “O Estado não deixará de apoiar de forma firme e determinada as instituições de desenvolvimento social, nomeadamente nos transportes, na modernização, recuperação e reforço da sua actividade”, garantiu o responsável máximo da Segurança Social, que ontem esteve em representação do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Vieira da Silva. Num encontro que pretendeu o debate e análise do desenvolvimento local, Rui Fiolhais também falou dos “constrangimentos” de uma região envelhecida como a do Pinhal Interior onde há “254 idosos por cada 100 jovens e as dificuldades acrescidas de uma morfologia territorial que não ajuda à fixação dos factores de bem-estar social”.

“Desenvolvimento é acção local” é o tema desta XII MANIFesta - Assembleia, Feira e Festa do Desenvolvimento Local e da Economia Social e Solidária. O evento, que conta com o alto patrocínio do Presidente da República, é promovido pela Animar - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local e pelo município de Penacova.

“Que seja uma jornada que permita compreender o território e lançar pistas e bases para o seu desenvolvimento”, desejou o presidente da Câmara de Penacova, Humberto Oliveira, na abertura dos trabalhos, destacando que Penacova e toda a região sofre da “falta de gente”, uma fragilidade que urge combater. E lembrou que entre os Censos de 2001 e os de 2011, o município perdeu 1.000 pessoas e esse número deverá repetir-se de 2011 para 2021. ”Em 20 anos perderemos cerca de 2.000 pessoas e julgo que é importante reflectir sobre isso e lançar pistas”, afirmou.

A MANIFesta prossegue hoje, na Biblioteca Municipal, a partir das 10h00, com o painel “Contributo do Ecoturismo para o Desenvolvimento Rural”, com Carlos Lopes, do Politécnico de Coimbra, seguindo-se a apresentação dos “Resultados do processo de animação territorial , perspectivas de futuro”, com Victor Andrade, da Animar. “Valorizar os territórios: oportunidades e desafios” é tema do painel da tarde, com Helena Freitas, Nuno Formigo e Luísa Seixas, das universidades de Coimbra, Porto e Nova de Lisboa.  

Penacova Estado garante apoio às 55 mil entidades de economia social em Portugal, responsáveis pela melhoria das condições de vida das populações

Margarida Alvarinhas

 

Recomendamos

Financiado Por

financiadores02financiadores03financiadores04

Redes e Parcerias

Parceiro1 CasesParceiro2 RipessParceiro3 CNESParceiro4 ComunaCarta Portuguesa para a Diversidade