Recursos

Destaques
791 recursos encontrados

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Parecendo contrariar a tendência inelutável de envelhecimento da agricultura e dos territórios rurais, verificou-se nos últimos anos um fenómeno de reaproximação à agricultura de activos com idade média muito inferior à média etária dos produtores agrícolas. Este movimento, que já envolve milhares de indivíduos com idade inferior a 40 anos, relaciona-se com o apoio do PRODER1 à instalação de “jovens agricultores” em explorações agrícolas no território nacional, a tempo inteiro ou parcial, mediante a apresentação de candidaturas.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

No contexto socio-político da modernidade tardia e da falência de um quadro paradigmático restritivista das participações, com a passagem das formas de ‘governo’ às de ‘governança’, a ‘governança rural’, tal como veio a ser favorecida e potenciada pelo Programa de Iniciativa Comunitária (PIC)LEADER, depois de iniciativas precursoras críticas, introduziu novos desafios à sociedade. Emanando de uma necessidade reconhecida internacionalmente, de disseminação da responsabilização contratualizada, em parcerias e redes, a ‘governança rural’ passou a ser considerada, na Comunidade Europeia, como indissociável dos processos de desenvolvimento rural e, de modo reconhecidamente mais actual, de desenvolvimento territorial e de promoção da coesão, em todas as suas dimensões.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Os recursos produtivos obtidos dos sistemas extensivos são de tipos diferentes. Uns, como a cortiça e o porco de montanheira, são exclusivos dos sistemas de montado e portanto constituem mais valias pelo seu carácter monopolista. Alguns dos produtos com origem nos sistemas extensivos têm características de bens e serviços típicos de macromercados, como são a cortiça, os produtos de origem animal, a azeitona, a caça e o turismo. Estes produtos e serviços concorrem em mercados globalizados. Existe uma imensa gama de produtos com características de micromercado, como são os cogumelos, as plantas aromáticas, comestíveis e medicinais, os produtos apícolas e o medronho. São produções atomizadas, verdadeiros nichos de mercado em que na respectiva produção impera a dispersão e extensividade e a economia do tipo natural, com recurso à recolecção.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Esta monografia reflete sobre o conceito de desenvolvimento local, enquanto fenómeno complexo, tendo por base uma iniciativa de desenvolvimento local com longo historial, a MANIFesta - Assembleia, Feira e Festa do Desenvolvimento Local, promovida desde 1994 pela Animar - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local, iniciativa que ao longo do tempo se tem afirmado como a mais visível montra deste associativismo, e principal promotora da reflexão, debate comum conducente à afirmação e defesa dos seus interesses. Nela se procura analisar e refletir sobre o tema, numa primeira parte, por via do seu processo de implementação, de territorialidade, de endógeneidade, de integração e multidimensionalidade e, numa segunda parte, por via do seu resultado, das mudanças ocorridas nos territórios, nos processos participativos e de dinamização que se mantiveram, nas formas de expressão e de vitalidade das comunidades que se desenvolveram e na sustentabilidade da iniciativa. Por conseguinte, num primeiro momento efectua uma abordagem conceptual ao tema do desenvolvimento local, refletindo acerca do papel das organizações de desenvolvimento local e, consequentemente, acerca das iniciativas de desenvolvimento local.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Com este trabalho pretendeu-se analisar, à escala local rural, os impactes da Educação e Formação de Adultos nos percursos individuais, profissionais e pessoais, dos agentes sociais envolvidos, directa ou indirectamente, na diversificação da actividade económica em meio rural, e no próprio processo desta diversificação. Para tal foram eleitos instrumentos de duas políticas nacionais. Concretamente, os três principais dispositivos subordinados ao conceito Aprendizagem ao Longo da Vida (ALV), a saber: o Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (Processo de RVCC), os Cursos de Educação e Formação de Adultos (Cursos EFA) e as Formações Modulares Certificadas (FMC), para a análise da EFA.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Este texto foi elaborado para o I Congresso Europeu das Áreas Comunitárias, organizado pelo Secretariado dos Baldios do distrito de Vila Real, em Vila Real, no mês de Setembro de 2011. Então, como de novo agora, estava em curso uma iniciativa legislativa que visava desmantelar a propriedade comunitária. Três anos depois, o cenário repete-se com o projecto de lei nº 528/XII, em apreciação, neste momento, na Assembleia da República. Mantém-se, assim, a principal conclusão deste texto, agora a propósito do contexto actual: está em curso “uma nova ofensiva centrada na tentativa de promover a entrega da propriedade comunitária a grandes interesses privados (…). Este processo a verificar-se corresponderia (…) à liquidação efectiva dos baldios como suporte de uma vivência solidária e de uma economia social ajustadas ao desenvolvimento das comunidades rurais”.

Publicações Animar
Desenvolvimento Rural
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Esta brochura engloba três textos temporalmente diversos. O primeiro, documento de trabalho, foi escrito em Abril de 2011, quando a candidatura da Dieta Mediterrânica a Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO dava os seus primeiros passos. O segundo, em co-autoria com o Dr. Jorge Queiroz, Diretcor Municipal da Cultura na Câmara Municipal de Tavira, foi publicado no jornal Público de 22/12/2013, na sequência da aprovação da inscrição da Dieta Mediterrânica na lista representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO. O último foi redigido em finais de Janeiro de 2014 para ser publicado na Revista Factores de Risco da Sociedade Portuguesa de Cardiologia.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Neste estudo os autores procoraram: - Traçar um perfil socioeconómico de candidatos e de beneficiários efectivos da medida 3.1 do subprograma 3 do ProDer, Diversificação da Economia e Criação de Emprego que permita pensar sobre as realizações de desenvolvimento rural desta medida; - Saber quem, entre aqueles que o programa define como destinatários da medida, toma conhecimento e se mobiliza para pedir apoio público para um projecto de investimento e quem efectivamente beneficia dos apoios públicos.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

"Incúria dos proprietários", "pequenez da propriedade", "individualismo da nossa matriz cultural" e "abandono dos campos" são alguns dos lugares comuns mais frequentemente invocados quando se pretende aflorar os factores socioeconómicos que concorrem para a catástrofe dos incêndios rurais que periodicamente assola o continente português. Estes e outros argumentos são aqui discutidos a propósito da análise dos entraves à implementação de um novo arranjo de gestão florestal, legalmente instituído no rescaldo dos grandes incêndios de 2003 e 2005. Considera-se que os territórios rurais mais afectados pelo flagelo dos incêndios se deparam com problemas estruturais cuja solução não está ao alcance de uma exclusiva abordagem ou política sectorial. Esses problemas prendem-se com a rentabilidade da floresta, o abandono agrícola, a valorização dos incultos, o envelhecimento da população rural, o fraco dinamismo económico das economias locais e o confiar no mercado para a remuneração de bens de carácter público, como é o caso da redução da susceptibilidade aos incêndios ou a conservação da biodiversidade.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Nesta brochura o autor caracteriza os sistemas de olivicultura dominantes em Portugal nos últimos dois séculos. Abordam as principais mudanças ocorridas no olival, desde meados do século XIX até à actualidade, fazendo referência às alterações tecnológicas. Na parte final faz uma reflexão sobre os actuais sistemas de olivicultura e a sua relação com a inovação e o desenvolvimento rural.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

A alimentação dos portugueses era reconhecidamente saudável e estava associada a um bom nível de saúde cardiovascular. Baseava-se no consumo elevado de alimentos ricos em hidratos de carbono complexos, fibras, vitaminas, minerais e numerosos antioxidantes protectores da saúde do coração, ao mesmo tempo que era baixo o consumo de alimentos ricos em gordura saturada e de grande valor calórico. Predominavam alimentos como cereais e derivados, o pão e as massas, as hortaliças, as leguminosas, a fruta e a batata, sendo moderado o consumo de ovos, peixe e carne. A principal gordura era o azeite, a culinária era simples e as refeições eram tomadas em ambiente tranquilo. Os méritos do regime alimentar mediterrânico prendem-se com a sua riqueza em alimentos funcionais, os quais apresentam efeitos benéficos para a saúde. As leguminosas e em particular os feijões, sendo um dos elementos-chave da dieta mediterrânica, possuem características de alimentos funcionais.

Agricultura
Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Este texto procura contribuir para a identificação dos desafios que o rural representa para Portugal no limiar da década de 2010 e para abrir perspectivas sobre mudanças de política que sejam potênciadoras de melhores condições de desenvolvimento. E é norteado pela ideia de que a coesão territorial e social se realiza através da inclusão de todos os agentes e territórios, na sua diversidade, nas tarefas do desenvolvimento, designadamente, através do trabalho, do investimento, da boa gestão e organização, do conhecimento e da inovação. Nesta perspectiva, a missão e o desafio unificador da política agrícola e rural deve ser a mobilização do potencial produtivo dos diversos sistemas de agricultura e territórios, de modo compatível com o ordenamento do território, concebido como adequação das ocupações do solo aos condicionalismos ecológicos (recursos da humanidade) e de entrosamento da população, rural ou urbana, com o seu espaço. Mobilização, enfim, que deverá ser socialmente compensadora para produtores e consumidores e, também, para os contribuintes (incluindo os agricultores) que financiam com os seus impostos os apoios canalizados pela (e para a) política agrícola e rural.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Entre os dias 23 a 25 de Setembro de 2013 decorreu em Lisboa, na Universidade Lusófona, o primeiro encontro internacional sobre economia social e solidária, com destaque para os temas Finanças e Incubação Social e Solidária. Esta iniciativa foi promovida pela Universidade Lusófona, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Animar e contou com o apoio de inúmeras organizações governamentais e não-governamentais, militantes e activistas da economia social e solidária de vários países.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

A obra que aqui se disponibiliza nasceu de um conjunto de actividades realizadas no âmbito do CLDS de Vila Franca de Xira, actividade Na Hora do Conto. Nela foram contadas 8 histórias, pensadas e planeadas no sentido de reforçar a ligação entre as crianças e as histórias e, principalmente, estimular a sua criatividade. Cada Hora do Conto foi, sobretudo, um momento dedicado às crianças e muito em especial ao estímulo da sua imaginação e da sua curiosidade a partir da magia dos contos e histórias de outros países, de outras regiões e de outras culturas.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

A Fundação Calouste Gulbenkian em 2014, através do seu Programa de Desenvolvimento Humano, criou uma linha específica de intervenção centrada no papel que as práticas artísticas podem desempenhar nos processos de inclusão social: o Programa PARTIS. O projecto “Há Festa no Campo”, da responsabilidade da Associação Ecogerminar, foi um desses projectos e demonstrou grande capacidade de motivação e envolvimento das populações abrangidas, ensaiando novas abordagens e inovando nos processos e produtos alcançados. No meio rural, tantas vezes esquecido e deprimido, iniciativas como esta vêm mostrar que em todos os territórios, com populações de diversas idades, origens e qualificações, é possível trabalhar em conjunto e promover ações que aumentem a autoestima e o orgulho em pertencer a uma comunidade e demonstrar que é possível as pessoas organizarem-se e mudarem o “seu mundo” para melhor. Este manual visa partilhar muitas das aprendizagens recolhidas ao longo destes três anos e aumentar o alcance deste projeto, disseminando recomendações práticas para o “Há Festa no Campo” propõe um modelo de intervenção comunitário e multidisciplinar, um modelo de promoção da participação (assembleias comunitárias), de promoção do empowerment (capacitação) e de promoção da celebração (apresentação comunitária das iniciativas). Este é um processo de intervenção experimental com base numa lógica de investigação-ação, onde a investigação é um processo contínuo de experimentação fundamentada em conhecimentos e práticas resultantes das diferentes disciplinas e dimensões da intervenção social com comunidades. A intervenção social assume aqui uma visão comunitária e local, uma visão integrada e concertada com as parcerias locais, procurando recursos exógenos para a promoção de um modelo de desenvolvimento local sustentável nas suas diferentes dimensões de atuação, permitindo deste modo a mobilização e capacitação das pessoas para a valorização dos recursos e oportunidades económicas, na preservação do ecossistema cultural e ambiental do contexto onde se insere e na promoção de uma maior coesão social territorial, entre o urbano e o rural, reduzindo as situações de desigualdade e de injustiça com as comunidades envolvidas.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Brochura reproduzindo os 10 painéis que constituem a exposição comemorativa do 25º aniversário da rede Animar, nos quais se conta a sua história.

Publicações Animar
Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local
Lisboa

Brochura com a Declaração da Assembleia MANIFesta de Vila Nova de Gaia e a da Assembleia de Crianças e Jovens.